Nos deixou Pedro Kroupa

Posted on 25/06/2018

0


Ideal Peres, Renato Ramos e Pedro Kroupa no Círculo de Estudos Libertários (CEL atual CELIP) nos anos 1980

Morreu aos 61 anos uma das figuras mais emblemáticas do processo de reconstrução do anarquismo no Rio de Janeiro nas últimas duas décadas do século passado. Faleceu nesse domingo, aos 61 anos, o companheiro Pedro Kroupa, vítima de um infarto.

Paulistano do bairro do Ipiranga, Pedro nasceu em 16 de agosto de 1956 e cresceu em meio a trabalhadores e trabalhadoras das várias colônias de imigrantes que chegaram a capital paulista no século XX.

Companheiro Pedro Kroupa em janeiro de 2018

Aos 16 anos alistou-se na Marinha e de lá só saiu aos 22 anos, “convidado a se retirar” após ter esmurrado um oficial. Veio para o Rio de Janeiro na primeira metade dos anos 1980 e aqui integrou a lendária Brigada Metálica de Realengo, da Zona Oeste Carioca.

No final de 1987, em uma manifestação na Cinelândia alusiva ao acidente nuclear de Goiânia, Pedrão conheceu os integrantes do Grupo Anarquista José Oiticica (GAJO) e pouco depois foi convidado a ingressar. Passou a participar ativamente das reuniões semanais do Círculo de Estudos Libertários (CEL) e, em maio de 1991, foi um dos quatro fundadores do informativo Libera…Amore Mio. Também participou, entre 1988 e 1991, dos quatro primeiros números da revista Utopia. Teve papel decisivo na organização de diversos eventos anarquistas promovidos pelo CEL, além de ter participado de congressos estudantis levando as propostas libertárias.

Até 1993, Pedrão participou ativamente de todas as atividades e iniciativas libertárias por aqui realizadas. Devido ao seu ofício de iluminador de espetáculos, pelo qual era um dos profissionais mais respeitados da cidade, aos poucos se afastou da militância cotidiana, mas jamais se afastou do Ideal Anarquista.

Em 2008 sofreu um grande baque com a morte de sua companheira Florine e, a partir daí problemas de saúde relacionados à visão e à diabetes foram se agravando.

A Federação Anarquista do Rio de Janeiro expressa sua dor pela perda de companheiro tão valioso e deixa todo carinho e solidariedade a Dona Conceição, sua mãe; João (filho); Priscila (filha); Tânia (enteada); Isabel, Helena e Miguel (net@s); nora e genros, e demais familiares, amigos e companheiros/as de luta.

O sepultamento do companheiro Pedro Kroupa ocorrerá amanhã, terça-feira (26/06/2018), às 10:00h no cemitério São João Batista (Botafogo), com saída do féretro do portão principal na Rua General Polidoro.

Anúncios