Texto síntese da 1ª formação OASL/CAB – Pró Núcleo de Marília

Posted on 08/10/2012

0


A formação ocorrida entre os dias 21 e 23 de Setembro de 2012 teve como finalidade à aproximação da organização de Marília com a OASL e, a partir disso, foram apresentadas concepções e análises de determinados períodos e conjunturas significativas com relação ao movimento anarquista.

“O anarquismo é o viajante que toma as ruas da história e luta com os homens tais como são e constrói com as pedras que lhe proporciona sua época.”
Camillo Berneri

O anarquismo, corrente que surge no seio do movimento operário na segunda metade do século XIX, se iniciando no pensamento de Proudhon e tomando maturidade com a atuação da “Aliança” na Primeira Internacional. Negando a idéia de um anarquismo que emanaria da essência humana, compreendemos este como fruto de processos históricos, caracterizado por:

Opor-se as correntes estatistas do socialismo;
Organiza-se de distintas maneiras de acordo com seu tempo e espaço histórico (mutualismo, coletivismo, comunismo, individualismo tático, anarcossindicalismo, sindicalismo revolucionário, etc).

Pontuamos a atuação anarquista em algumas experiências revolucionárias, partindo do surgimento e do desenrolar da Associação Internacional dos Trabalhadores, da Comuna de Paris, o sindicalismo revolucionário no Brasil, a Revolução mexicana, a Revolução da Manchúria, a Revolução Russa e a Revolução Espanhola; a fim de contrapor a tese da exceção espanhola.

Discutimos as discordâncias estratégicas com as outras correntes do socialismo, principalmente o marxismo, como por exemplo, a questão das interpretações sobre o Estado que dividiu os socialistas entre libertários e autoritários, a crítica ao determinismo econômico presente na obra de Marx, assim como a centralidade do sujeito revolucionário, sendo o trabalhador fabril.

Dividimos os conceitos de ideologia e teoria. Entendemos por ideologia, um conjunto de aspirações que possuem algum contato com a realidade, mas que não são determinados mecanicamente por ela. E teoria como tentativa de compreender a realidade com as ferramentas conceituais mais apropriadas possíveis.

Defendemos a necessidade da organização específica dos anarquistas, para não ter suas idéias diluídas na massa das forças sociais, seguindo os métodos federalistas e que não substitui nem representa as forças populares.

Participaram da formação o Pró Nucleo de Marília, assim como a OASL/CAB.